Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 19 DE AGOSTO DE 2022
21 de JUNHO de 2022

Acusado de homicídio diz que matou porque foi torturado por dono de boate

À época dos fatos, foto de Kelvin mostrando os ferimentos causados pela tortura foi divulgada pela defesa dele. (Foto: arquivo / Campo Grande News)

Em julgamento realizado na 1ª Vara do Tribunal do Júri, na manhã desta terça-feira (21), Kelvin Dinderson dos Santos, o Alemão, de 30 anos, um dos acusados pela morte de Ronaldo Nepomuceno Neves, de 48 anos, confessou o crime e disse que matou porque foi torturado pela vítima. O fato aconteceu em setembro de 2020.

O corpo de Ronaldo foi encontrado parcialmente carbonizado no dia 12, ao lado de sua caminhonete Ford Ranger, em estrada vicinal que dá acesso a Cachoeira do Ceuzinho. A vítima estava só de cueca com uma camiseta amarrada no pescoço.

Ao ser indagado pelo juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida se queria falar sobre o fato, Kelvin inicialmente disse que não. Mas depois de conversar com o advogado de defesa, ele decidiu contar sua versão. “Vou contar o que não foi esclarecido para os senhores”, disse.

Segundo o réu, foi torturado por Ronaldo e os comparsas dele para confessar furto que não havia cometido. Ele contou que foi amarrado, colocado dentro de uma caminhonete e agredido com golpes de faca, chutes, socos, pauladas e choque elétrico por cerca de 3 horas. “Me deram choque, pauladas e facadas. Estava com as mãos e pés amarrados na capota do carro. Acharam que eu tinha morrido e disseram que iam avisar minha esposa”.

Narrou ainda que foi levado até uma área frequentada por usuários de drogas, conhecida como “Fazendinha”, na Avenida Ernesto Geisel, onde conseguiu escapar e com ajuda de amigos, deu rasteira em Ronaldo e o imobilizou usando um cinto. 

“Me arrependo muito de ter tirado uma vida, mas pensei na minha família naquela hora. Eu não queria fazer nada com ele. Amordacei ele. Levamos ele com vida para o Ceuzinho", contou.  Outros três amigos de Kelvin também foram responsabilizados pelo crime - Igor Figueiró Rando, Marcelo Augusto da Costa Lima, e Almiro Cássio Nunes Orgeda Queiroz Neto.

Kelvin contou que no local do crime desferiu um golpe com uma garrafa quebrada no pescoço da vítima. “Chegando lá desferi a garrafada no pescoço dele e pedi para a gurizada me levar embora. Aí para frente não sei de mais nada. Antes de ir embora, dei duas pedradas nele”. O réu afirmou ainda que perdeu a cabeça, porque a vítima disse que mataria os filhos dele, de 6 e 9 anos de idade, na época. “Ele era meu amigo, não tinha o porquê fazer isso comigo”. Segundo ele, Ronaldo era acostumado a bater na “gurizada”.

Quanto ao crime, Kelvin afirmou que não combinou nada com os comparsas. “Foi acontecendo”. O rapaz ainda aproveitou para dizer que a vida dele foi de luta, sempre trabalhado. “Eu tinha 11 anos quando minha mãe saiu de casa. Tive que ter obrigação de dono de casa. Fui eu quem cuidei do meu irmão esquizofrênico. Ele é mais velho”.

Segundo Kelvin antes de ser preso tinha um projeto no chamado Espaço Verde, de horta orgânica. “Minha vida sempre foi correr atrás. Pai eu nunca tive. Eu fui pai de mim mesmo e do meu irmão. Não conheci meu pai. Nem registrado eu fui”.  O resultado do julgamento será divulgado no período da tarde. 



Fonte: Campo Grande News



» VEJA TAMBÉM!
POLíCIA  19/08/2022
Tenente preso com contrabando de cigarros é excluído da Polícia Militar
POLíCIA  19/08/2022
Mulher que saiu de MS com fuzil no travesseiro é presa no interior paulista
POLíCIA  19/08/2022
Mulher é presa viajando com criança para o MT e diz que mãe ‘doou’ menino
GERAL  19/08/2022
Grave acidente envolvendo cinco veículos deixa vítimas presas as ferragens
POLíCIA  19/08/2022
Namorada de membro do PCC morto em troca de tiros com a polícia irá para a Unei
Untitled Document
TáNaMídia Naviraí
Editor: Umberto Cardoso (Zum)
E-mail: zum@tanamidianavirai.com.br
Endereço: R. Jamil Salem, 27 CENTRO
Naviraí - MS - Brasil
+55 67 9956-1909