Realiação: Robson Kanoff
Editor: Umberto Cardoso
zum@tanamidianavirai.com.br
+55 67 9956-1909
GERAL
23/06/2012 10h01min
Paraguai tem ruas vazias, incerteza e medo após impeachment
A incerteza e o medo sobre o futuro do Paraguai se refletiram nas ruas de Assunção, capital do país, nas últimas horas. O comércio fechou as portas, as escolas suspenderam as aulas e poucas pessoas ousaram sair às ruas. Os motoristas de táxi só aceitavam viagens aos locais distantes das manifestações. Porém, quem decidiu enfrentar os obstáculos dos policiais e o frio optou por protestos pacíficos durante a noite de ontem e a madrugada deste sábado.

Em Assunção, ontem, depois do enfrentamento entre policiais e manifestantes nas praças em frente ao Congresso Nacional e ao palácio do governo, poucas pessoas continuaram nas ruas. Algumas pintaram as cores da Bandeira do Paraguai no rosto - branco, azul e vermelho - e outras mais discretas optaram por protestos pacíficos.

Professor de uma escola rural, Francisco Lescano acompanhou, da praça em frente ao Congresso Nacional, as últimas horas de discussão sobre o futuro do então presidente Fernando Lugo. "É um golpe não só para o Lugo. É um prejuízo para o Paraguai. É um retrocesso, pois quebrou-se a convivência democrática", disse.

Crianças, jovens, mulheres e homens formavam pequenos grupos que se aqueciam nas praças com a ajuda de fogueiras durante a noite e a madrugada. Os policiais e militares das Forças Armadas acompanhavam de perto os grupos. "O Paraguai vive uma situação conjuntural diferente, o que trará consequências políticas e econômicas para todo o país, será um retrocesso", disse o camponês Néstor Ordez.

Para a líder juvenil da cidade de Mariano, Laura Ferrera, a substituição de Lugo por Federico Franco representa uma ameaça à democracia e à participação popular no processo político do Paraguai. Segundo ela, a Constituição do país permite o processo de juízo, como chamam, equivalente ao impeachment, mas a forma como foi conduzido é que levanta suspeitas.

"Houve manobra política no processo. Foi tudo muito rápido. Em menos de 24 horas, resolveram o assunto. O povo paraguaio elegeu Lugo. Sou paraguaia e temos o direito de eleger o nosso presidente", disse a líder.

Com a bandeira do Paraguai amarrada ao pescoço, o funcionário público Bruno Equez defendeu que a população paraguaia reaja à destituição de Lugo de forma pacífica, mas organizada. "Acho que deveria ter uma resistência cidadão e uma desobediência, por exemplo, deixando de pagar impostos. A maioria da população está indignada com essa situação", disse.

TAGS: Paraguai, Impeachment

Fonte: A gazeta News

Umberto Zum
PUBLICOU: Umberto Zum
E-Mail: zum@tanamidianavirai.com.br
Siga: @tanamidianavi

Comente a Notícia
mais noticias